Como funcionam as novas regras do rotativo do cartão de crédito

Como funcionam as novas regras do rotativo do cartão de crédito

Você sabia que as novas regras do rotativo do cartão de crédito começaram a valer a partir de abril deste ano?

Muitas pessoas ainda não têm conhecimento dessas alterações, não sabem que os clientes têm restrições para acessar o crédito rotativo e efetuar o pagamento mínimo da fatura.

Se você é uma delas, estamos aqui para resolver o seu problema. Portanto, não se preocupe! Neste artigo vamos explicar o que é crédito rotativo, como ele funcionava antes das alterações e quais são as novas regras. Venha conferir!

O que é crédito rotativo?

Quando não tem dinheiro suficiente para quitar a sua fatura do cartão de crédito, o banco permite que você financie a dívida, pagando o valor mínimo dela, que é de 15% do valor do débito. O restante, você pode pagar no próximo mês.

Isso é o que chamamos de crédito rotativo.

Por exemplo, se a sua fatura fechou em R$ 1.000,00 e, por qualquer motivo, não foi possível efetuar o pagamento total, você pode pagar R$ 150,00 este mês e R$ 850,00 no outro.

Mas a conta não é tão simples assim. Quando o banco financia o valor, permitindo que você pague o mínimo da fatura, ele acrescenta a cobrança de juros rotativos, os quais incidirão sobre o débito em aberto.

Esses juros podem fazer com que a sua dívida seja muito maior no mês seguinte devido à junção das compras parceladas e os juros acrescidos.

Como ele funcionava antigamente?

Antigamente, para não ter problemas com a inadimplência, o cliente precisava pagar o valor mínimo da fatura (15%) do seu cartão de crédito. O restante do débito poderia ser pago no mês seguinte, com o acréscimo dos juros rotativos.

Dessa maneira, no mês seguinte o cliente recebia a fatura para pagar a dívida restante. Mas, se ele novamente não conseguisse pagar o débito integral, existia a possibilidade de fazer todo o processo novamente: pagar os 15% e deixar o restante para pagar depois, e assim sucessivamente.

Quais são as novas regras do rotativo do cartão de crédito?

O cliente que não conseguir pagar integralmente a sua fatura do cartão de crédito poderá, ainda, efetuar o pagamento mínimo de 15%.

Entretanto, isso valerá apenas para o primeiro mês de atraso, ou seja, nos próximos ele não poderá mais seguir esse procedimento, pois o crédito rotativo terá um limite de 30 dias.

As novas regras do rotativo do cartão de crédito determinam que os bancos ofereçam uma linha de crédito para o seu cliente, a fim de possibilitar o parcelamento da dívida.

Antigamente, as regras permitiam que você alongasse o seu débito, criando o efeito “bola de neve”. Hoje, o cliente poderá negociar uma taxa de juros e um prazo para quitar a pendência.

É importante frisar que o consumidor ainda pode efetuar o pagamento total da dívida antes do vencimento das parcelas.

Quais são as vantagens para o consumidor?

Com as novas regras do rotativo do cartão de crédito ficou ainda mais fácil pagar a sua dívida. Dentre as principais vantagens estão:

  • ao pagar o valor total da fatura, os juros estabelecidos serão menores que os anteriormente cobrados;
  • será possível conseguir um empréstimo com taxas mais baixas para efetuar o parcelamento da dívida;
  • as novas regras permitem que haja economia na hora de pagar a sua fatura atrasada;
  • diminui os riscos da inadimplência.

As novas regras do rotativo do cartão de crédito foram elaboradas com o objetivo de melhorar a economia do país e facilitar a quitação do débito para os brasileiros, pois o juros cobrados eram extremamente altos, fazendo com que os clientes adquirissem dívidas cada vez mais elevadas, prejudicando a sua saúde financeira.

Agora que você já sabe como funcionam as novas regras do rotativo do cartão de crédito, curta a nossa página no Facebook e acompanhe os nossos conteúdos exclusivos!

Confira 5 dicas para economizar na alimentação

Confira 5 dicas para economizar na alimentação

Seja em compras de supermercado ou em uma ida a um restaurante, o gasto com comida é um dos que mais pesam no orçamento mensal. Embora seja uma despesa que não podemos eliminar por completo, seguindo algumas dicas para economizar na alimentação, é possível reduzir muito o valor dessa conta no fim do mês.

E o que muitas pessoas não sabem é que, sem um planejamento eficiente, o valor gasto pode fugir do controle e chegar a números bastante altos. Isso pode impossibilitar, por exemplo, que você consiga realizar outros desejos como uma viagem de férias e até investir em uma casa própria.

Então, para ajudá-lo a economizar na alimentação, no artigo de hoje, selecionamos 5 dicas imperdíveis. Acompanhe e confira!

1. Aprenda a cozinhar

Nem todo mundo é apaixonado pela ideia de cozinhar, mas fazer sua própria comida pode ajudar, e muito, quem deseja diminuir os gastos com a alimentação. Com o crescimento desse mercado, a internet e a TV tem sido grandes incentivadoras desse hábito.

Comece por processos mais básicos e, após aprender o bê-á-bá da gastronomia, você conseguirá incrementar as suas receitas. É importante lembrar que o começo é difícil, então prepare-se para errar no tempero e tempo de cozimento, mas não desista! Tenha em mente que a prática leva à perfeição.

2. Reaproveite as sobras de comida

Você sabia que é possível reaproveitar todos aqueles alimentos comprados no supermercado e que estão esquecidos na despensa? Isso pode ser feito, inclusive, com as sobras das refeições e, até mesmo, com pedaços de alimentos descartados durante o preparo.

Os talos de legumes e verduras, em vez de serem jogados no lixo, podem se transformar em um caldo de legumes saudável e ser a base para o seu próximo risoto. O mesmo acontece com pedaços e gorduras das carnes que podem servir de base para outros pratos.

Ao assumir o compromisso de cozinhar, é importante usar a criatividade e, acima de tudo, evitar ao máximo o desperdício de comida!

3. Fique de olho nas promoções

É comum irmos sempre ao sacolão ou mercado mais próximo de casa, mas que nem sempre é o mais barato, ou pegar sempre os mesmos cortes de carne e não olhar outras opções mais em conta, não é mesmo?

Contudo, se seu objetivo é enxugar os gastos com alimentação, esses são bons motivos para levá-lo a ficar atento às promoções do dia, em diferentes estabelecimentos.

Pegue os catálogos e panfletos dos supermercados — muitos deles costumam veicular propagandas na TV e nos jornais com as ofertas do dia. Também é bastante comum que os estabelecimentos tenham dias específicos com promoções. Para economizar, vale ficar sempre de olho nas oportunidades!

4. Compare preços

É fato que nem sempre estamos dispostos ou temos tempo para comparar preços. No entanto, quando você assume o compromisso de economizar e equilibrar sua alimentação, verá que esse é um esforço necessário.

Comprar frutas, verduras e legumes em feiras livres, por exemplo, garante, além de alimentos mais frescos e de melhor qualidade, uma boa economia no fim do mês.

5. Evite comer na rua

Não são todas as pessoas que gostam e, até mesmo, sabem cozinhar. Contudo, o que a maioria da população desconhece é que o ato de comer fora com frequência é um grande rival do seu orçamento mensal.

Se você não sabe ou não tem muita prática na cozinha, dê preferência aos alimentos fáceis de preparar. Para aqueles que não gostam ou não têm tempo para se aventurar no fogão, um bom planejamento pode facilitar o seu dia a dia.

Definir um cardápio semanal, por exemplo, vai manter sua dieta e seu bolso equilibrados, além de ajudar você a não perder horas na cozinha. Além de criar uma rotina mais regrada, ao prestarmos atenção nos nossos hábitos alimentares, podemos diminuir drasticamente o valor gasto durante uma visita ao supermercado. Seguindo essas dicas para economizar na alimentação, você verá como é possível comer bem, gastando bem menos!

Então, gostou das nossas dicas? Aproveite e aprenda como cortar mais gastos neste artigo sobre como economizar dinheiro no bar!

O que é e como investir no Tesouro Direto?

O que é e como investir no Tesouro Direto?

Para entender como investir no Tesouro Direto, é preciso saber, primeiramente, que trata-se de uma parceria estabelecida entre a CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) e o Tesouro Nacional, para a compra e a venda de títulos públicos para pessoas físicas.

Os títulos públicos podem ser entendidos como um instrumento que o governo utiliza para se financiar. Ao mesmo tempo, do ponto de vista do investidor, a sua compra se assemelha a um empréstimo feito ao governo.

Neste artigo, oferecemos excelentes dicas para você investir com sucesso e apresentamos os principais tipos de títulos oferecidos. Boa leitura!

Dicas para investir no Tesouro Direto

Ao investir, é preciso ter cuidados relativos a uma série de fatores, afinal de contas, é o seu futuro que está em jogo. Confira, a seguir, 4 dicas para fazer boas escolhas.

1. Venda no momento certo

Quando os títulos são comprados (em particular o LTN e o NTN), eles ficam sujeitos à dinâmica de variações do cenário econômico. Isso faz com que seja indispensável acompanhar suas entradas e saídas.

Uma vez que a lei de oferta e procura se aplica em larga escala nesse contexto, o ideal é monitorar o desempenho da economia para aproveitar as oportunidades de vender com ganhos.

2. Programe seus investimentos

No tesouro nacional, é possível programar suas futuras operações, portanto, use isso a seu favor. Agende suas operações diretamente na plataforma disponibilizada pelo tesouro. Desse modo, ficará mais fácil acompanhar a rentabilidade de cada ação de compra e venda.

3. Pesquise as taxas de custódia

Ao investir, você não deve, em hipótese alguma, descuidar das taxas envolvidas em cada operação. Uma das mais relevantes é a taxa de custódia.

É altamente recomendável pesquisar, no próprio site disponibilizado pelo tesouro nacional, a classificação de instituições financeiras por taxa de custódia e, assim, optar pela alternativa que ofereça menores custos.

4. Calcule a rentabilidade futura

Os investidores de sucesso sabem aproveitar todas as ferramentas disponíveis. No site do Tesouro, por exemplo, você pode encontrar uma calculadora muito útil para conhecer a rentabilidade de um título levado até a data de seu vencimento.

Utilize-a, também, para conhecer os valores, caso opte por efetivar, antecipadamente, uma venda. Assim, você será capaz de considerar qual opção será melhor de acordo com as suas necessidades e o seu planejamento.

Taxas cobradas

Nas compras de títulos, incidem-se algumas taxas de operações acerca dos serviços que são prestados. Além da mencionada taxa de custódia, há a taxa de administração (bem como os já conhecidos impostos IR e IOF):

  • taxa de custódia (0,03% ao ano): refere-se à movimentação de saldos e aos serviços de manutenção de informações e dos próprios títulos. O valor correspondente é descontado uma vez a cada semestre ou no caso de venda, vencimento ou pagamento de juros;
  • taxa de administração (de 0 a 2%): o valor dessa taxa não é fixo, pois depende da corretora que você escolher. Existem, até mesmo, algumas que não a cobram, a fim de atrair o investidor. Seu valor é descontado no momento da compra.

O cálculo das quantias devidas em relação às taxas de custódia e administração é definido de acordo com o valor de mercado de cada título em particular. Para realizar essa estimativa, não há um método único, sendo possível encontrar, no mercado, diferentes formas de realizá-la.

Contudo, como se tratam de valores relativamente baixos, essas taxas, em geral, têm pouca influência nas decisões da maioria dos investidores.

A seguir, analisaremos alguns dos principais títulos oferecidos.

Tesouro Selic

Anteriormente conhecido como Letra Financeira do Tesouro (LFT), o Tesouro Selic é um título que apresenta rentabilidade diretamente relacionada às flutuações da Selic (taxa de juros básica da economia), sendo, portanto, pós-fixado.

A remuneração desse título acompanha as alterações diárias da taxa Selic. Quando o preço está com ágio, o retorno do título fica menor do que o estipulado na emissão. Nesse caso, você terá uma remuneração menor do que a Selic. Contrariamente, quando em deságio, você receberá uma quantia maior.

Desse modo, é crucial acompanhar as variações dos movimentos de oferta e procura por títulos.

O Tesouro Selic é, geralmente, indicado para investidores mais conservadores, uma vez que apresenta baixo risco: ainda que a taxa Selic esteja em queda, não há retornos negativos consideráveis, como ocorre em outras modalidades de investimento.

De fato, é um dos investimentos mais simples. Ao vender esse título, você receberá de volta a quantia que investiu mais os juros do dia em questão. Outro fator de simplificação se dá por serem títulos “zero cupom”, ou seja, não há pagamentos intermediários entre as datas de compra e vencimento dos mesmos.

Tesouro IPCA

O Tesouro IPCA, também pós-fixado, vincula-se ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que, por sua vez, funciona como um norte para a configuração de políticas relativas à inflação e demais medidas econômicas tomadas pelo governo federal.

Uma de suas características mais atraentes é a possibilidade de obter ganhos reais, já descontados da inflação. Como o IPCA assegura a continuidade do poder aquisitivo, sua própria taxa de juros determina a rentabilidade do título.

Como os demais modelos, também no Tesouro IPCA incide o ágio ou o deságio, vinculados à oferta e procura por seus títulos.

Tesouro Prefixado

O Tesouro Prefixado, anteriormente conhecido pela sigla LTN (Letra do Tesouro Nacional), permite que o investidor saiba, de antemão, todas as quantias dos recebimentos no momento da emissão.

Ou seja, aqui, não ocorre nenhuma atualização no valor nominal. Portanto, se escolher investir no Tesouro Prefixado, você contará com a segurança de estar ciente, desde o primeiro momento, de sua rentabilidade.

Esse título apresenta, também, um modelo com cupons semestrais. Se optar por ele, você deve ficar atento aos juros estabelecidos pelo Tesouro na data da emissão, pois esses títulos devem pagar 10% ao ano, o que equivale a cerca de 4,88% a cada semestre.

Dada as limitações do presente artigo, nem de perto esgotamos nosso assunto. Todavia, esperamos que as informações elencadas possam ser de alguma utilidade para guiar seus investimentos e ajudá-lo a fazer seu dinheiro trabalhar para você.

Sejam quais forem as opções que você escolher, acredite: não há, no mercado financeiro, opções tão seguras e rentáveis como investir no Tesouro Direto.

Gostou do post? Então, assine a nossa newsletter e receba as melhores dicas de investimentos diretamente em seu e-mail!

Como escolher melhor aplicativo de controle financeiro?

Como escolher melhor aplicativo de controle financeiro?

Contar com o melhor aplicativo de controle financeiro ajudará você a entender e assumir, de uma vez por todas, as suas finanças. Esses serviços são projetados para facilitar a análise e melhoria da sua saúde financeira. Entretanto, nem todos servem ao mesmo propósito.

Controle financeiro, nesse contexto, pode abranger tarefas, como orçamentação, gerenciamento de despesas, redução de custos, operações bancárias, investimentos, pagamento de contas ou impostos etc. Então, o que um aplicativo de controle financeiro faz? Alguns serviços se concentram em uma dessas áreas e outros servem como hubs para muitos ou todos os aspectos financeiros.

Pensando nisso, ao longo deste artigo, oferecemos excelentes dicas para garantir que você faça uma escolha adequada e capaz de atender às suas necessidades. Boa leitura!

De olho em suas necessidades

O aplicativo é uma maneira eficaz de “aferir sua temperatura financeira”, registrar suas atividades e atingir objetivos com menos esforço.

Além disso, pode ajudá-lo a identificar e rastrear categorias de gastos, como necessidades e desejos, despesas fixas e variáveis, para que você possa ver claramente onde seu dinheiro está indo e quanto está sendo gasto.

Um bom aplicativo ensina sobre o seu relacionamento com o dinheiro, funcionando, também, como uma experiência de aprendizagem.

O sistema deve oferecer orientações e, em alguns casos, completar tarefas em seu nome, como pagar contas, escolher fundos negociados em bolsa para investir ou transferir dinheiro para uma conta poupança.

Você, provavelmente, encontrará uma maneira de usar o aplicativo de controle financeiro para fazer progressos em seu planejamento, independentemente de sua saúde financeira atual.

Poderá descobrir se está gastando demais com aplicativos de transporte urbano individual e que deve reduzir as viagens ou confirmar que está contribuindo regularmente para o seu fundo de aposentadoria e apenas precisa acompanhar seu progresso.

Sejam quais forem suas motivações e especificidades, gerenciar suas finanças através de uma plataforma digital pode economizar tempo, especialmente se a solução escolhida contar com elementos automatizados.

Alguns serviços importam suas informações financeiras e oferecem atualizações em tempo real, o que significa menos manutenção do usuário em comparação com métodos manuais, como caneta e papel, folha de cálculo ou visita bancária.

Seu banco pode ter seu próprio aplicativo com recursos semelhantes, mas o uso de um aplicativo, condizente com as suas características, trará mais vantagens, principalmente se você optar por um fácil de usar e que permita a gestão de várias contas em uma carteira.

Tipos de aplicativos de controle financeiro

Como mencionado, há uma grande variedade de aplicativos de controle financeiro. A seguir, vamos nos concentrar nos tipos que cobrem a maioria das necessidades.

Orçamentação

Um aplicativo de orçamentação é aquele que ajuda a rastrear e categorizar seus gastos. Existem soluções que sincronizam suas contas em instituições financeiras e categorizam automaticamente seus gastos, além de simplificar ao usuário o estabelecimento de limites.

Poupança

Quer criar um fundo para emergências ou guardar para adquirir um carro novo? O aplicativo pode facilitar a reserva de dinheiro a cada mês. Alguns serviços transferem quantias automaticamente para sua conta poupança ou uma conta especial, a fim de ajudá-lo a economizar.

Há soluções que permitem arredondar suas compras e transferir o restante para uma conta separada ou reservar parte do seu dinheiro com base nos critérios que você definir.

Investimento

Investir coloca seu dinheiro em ação para atingir metas de longo prazo. Existem aplicativos que orientam investidores inexperientes na construção de um portfólio. Outros, mais abrangentes, servem tanto a iniciantes quanto a investidores avançados.

Impostos

Se você está procurando uma maneira eficiente de preparar e arquivar seus impostos, considere optar por aplicativos especialmente desenvolvidos para esse fim. Eles são capazes de simplificar essas tarefas, potencialmente confusas. Há alternativas tão fáceis de usar que já vêm configuradas em um formato de perguntas e respostas.

Elementos a serem considerados ao escolher o melhor aplicativo

Encontrar o melhor aplicativo de controle financeiro depende se você conhece, satisfatoriamente, suas próprias necessidades e preferências. Pense nos seus objetivos, sobre o que precisa que o sistema faça e quão sofisticado você gostaria que ele fosse.

Caso queira, por exemplo, acompanhar suas despesas e receitas, um aplicativo de orçamentação, que sincroniza suas contas bancárias e o cartão de crédito, pode agir de forma rápida e indolor. Confira, a seguir, outros elementos a serem considerados:

  • compatibilidade do dispositivo: certifique-se de que o software irá operar satisfatoriamente em seu computador ou dispositivo móvel;

  • quantidade de contas: alguns aplicativos limitam o número de contas que você pode adicionar ou restringem o uso a apenas um tipo. Portanto, se você usa cheques, cartões de créditos e contas de investimentos, procure um serviço que possa lidar com todas elas;

  • suporte e assistência: se você precisar de ajuda ao utilizar seu aplicativo ou ao tomar uma decisão financeira, um guia de usuário ou uma página de FAQ padrão será suficiente? Caso contrário, talvez necessite de um serviço com suporte adicional, digamos, um que lhe permita falar com um atendente sobre seus impostos ou um advisor que o auxilie a gerenciar investimentos;

  • relatórios: resumos e componentes visuais, como gráficos estilizados e tabelas, geralmente, dividem suas despesas por categoria ou quantidade, possibilitando rever ações e status financeiro sempre que julgar necessário;

  • pontuação de crédito: o acesso livre à sua pontuação de crédito é uma clara vantagem em qualquer aplicativo, pois você pode entender melhor como seu comportamento financeiro afeta seu acesso ao crédito;

  • segurança: a maioria dos principais aplicativos apresenta as mesmas medidas de segurança que bancos e instituições financeiras. Ainda assim, seja cauteloso e faça sua pesquisa antes de enviar informações pessoais.

Teste alguns serviços gratuitos ou aproveite os períodos de avaliação gratuita para ver o que funciona para você. O melhor aplicativo de controle financeiro deve, idealmente, poupar tempo e ser de fácil utilização. Se encontrar algum que, apesar de outras qualidades, mostre-se muito complicado ou demorado, procure outra alternativa.

E aí, gostou do nosso artigo? Então, não perca a oportunidade de otimizar ainda mais o seu controle financeiro: entre em contato conosco e conheça as melhores soluções personalizáveis, totalmente desenvolvidas de acordo com as suas necessidades e especificações!

Consultoria contábil: como gerar valor para seu cliente?

Consultoria contábil: como gerar valor para seu cliente?

Para as empresas de consultoria contábil, a chave para o sucesso é encontrar maneiras de oferecer vantagens e benefícios adicionais, mesmo aos clientes mais difíceis. Você pode gerar valor, oferecendo benefícios adicionais em relação aos serviços e/ou produtos padrão.

São esses diferenciais que distinguirão a sua organização da concorrência, o que, por sua vez, contribuirá para atrair e reter mais clientes. Ao longo deste artigo, apresentamos alguns elementos cruciais para garantir o sucesso de suas iniciativas. Boa leitura!

Compartilhe ideias sem cobrar por isso

Cobrar os clientes por cada um dos conselhos fornecidos pode dar a impressão de que você apenas se preocupa com dinheiro. Tal imagem negativa prejudica o estabelecimento de relações sólidas e duradouras com eles.

Por outro lado, o compartilhamento regular e gratuito de informações demonstra que você está pessoalmente comprometido com o sucesso de seus negócios, o que ajuda a gerar valor e confiança, itens fundamentais para a consolidação de bons relacionamentos de negócios.

Aposte no longo prazo

Tem havido, recentemente, um movimento de afastamento da cultura baseada em “horas trabalhadas”. Os escritórios de contabilidade passaram a estar mais envolvidos nos processos de seus clientes e a realizar isso em uma base mais regular.

Tal atitude demonstra compromisso, otimiza o trabalho e a qualifica as comunicações, gerando mais valor e, consequentemente, diminuindo as chances de que os clientes considerem migrar para algum concorrente.

Uma abordagem de curto prazo, por definição, apenas resulta em sucesso a curto prazo. Se você está focado em sempre atrair novos negócios em vez de investir nos clientes que já tem, é bastante improvável que sua organização realmente floresça.

Como em quase todos os demais aspectos da vida, a famosa regra de Pareto também é aplicável nesse quesito. Ou seja, 20% dos seus clientes garantem 80% dos seus lucros. Portanto, é imperativo investir, a longo prazo, nos relacionamentos que já foram bem consolidados.

Realize webinars gratuitos

Essa é uma forma eficaz para oferecer informações comerciais, dicas e pareceres especializados a seus clientes. Esses seminários organizados on-line são fáceis de configurar, sendo uma ótima opção para os analistas contábeis fornecerem conselhos profissionais sem ter que encontrar cada cliente pessoalmente.

Escreva e compartilhe artigos para comercializar seus conhecimentos

Muitos profissionais de contabilidade têm produzido artigos interessantes e informativos para compartilhar com seus clientes. Tal iniciativa gera valor agregado ao possibilitar um meio adicional de se envolver com os clientes e pode ajudar você a se afirmar como um renomado líder no setor.

Suas postagens podem ser compartilhadas de várias maneiras: publicadas no site da empresa, em um blog, no LinkedIn, no Twitter e outras redes sociais, via e-mail para sua base de clientes existentes etc.

Ao compartilhar seu próprio conteúdo e outros relativos à sua área, você ampliará a conscientização e gerará valor não apenas para os clientes atuais, mas também para os potenciais.

O mundo da contabilidade baseia-se na premissa de vender tempo ou serviços. Se você quiser, por exemplo, ter sucesso como um confiável consultor de pequenas empresas e mudar seu paradigma, precisará se concentrar em comunicar o seu verdadeiro valor para essas organizações, isto é, seus conhecimentos e experiências.

Não subestime a importância de desenvolver um plano de marketing para ajudá-lo a reposicionar o seu negócio e divulgar o que tem para oferecer. A boa notícia é que existem, no mercado, muitas ferramentas e aplicativos que você pode utilizar para ajudá-lo a começar. Basta encontrar aquela que melhor se ajuste aos seus planos.

Procure oportunidades para lançar sua experiência na mídia, seja por meio de entrevistas, artigos ou blogs — que, por sinal, são muito úteis para quem deseja divulgar sua experiência profissional e direcionar mais tráfego para seu site.

Vá além da consultoria contábil

Outra importante tendência a ser observada consiste no fato de que muitos analistas contábeis estão começando a oferecer a seus clientes serviços de consultoria adicionais, indo além das limitações de suas especialidades.

Essa é uma excelente estratégia para assegurar que seus clientes recebam o valor que merecem. Sendo assim, analise suas principais necessidades e utilize todo o seu talento e criatividade para surpreendê-los com soluções inovadoras.

Aprenda com a concorrência

Comece avaliando o que os concorrentes estão fazendo. Quem são eles e como você os analisa?

Se, por exemplo, você quiser se concentrar em um determinado nicho de mercado, tornando-se um especialista em franquias ou em planejamento de sucessão, será necessário aprender tudo o que puder sobre as empresas ou os indivíduos que já atuam nesses campos.

Em seguida, encontre uma maneira de estabelecer contato com eles e aprender com suas experiências. Obviamente, você não desejará estreitar relações com concorrentes diretos, então, procure além da sua localidade ou utilize as redes sociais (principalmente o LinkedIn) para esse fim.

Priorize os planos de crescimento e expansão dos seus clientes

À medida que você começar a sair de sua zona de conforto e procurar aprofundar e qualificar os relacionamentos com os clientes, certifique-se de efetivamente envolvê-los. Isso significa adotar uma postura que o leve a priorizar o sucesso empresarial dos seus clientes.

Agende reuniões ou leve-os para almoçar a fim de discutir não apenas suas necessidades contábeis, mas também seus planos de crescimento. Mantenha as conversações girando em torno de questões, como:

  • a situação do seu fluxo de caixa e a existência de áreas onde as operações possam ser simplificadas e os custos reduzidos;
  • os principais riscos enfrentados;
  • a existência de limitações de ordem regulamentar ou jurídica que podem afetar suas práticas comerciais atuais ou futuras.

Outras formas de gerar valor incluem identificar lacunas no mindset (ou mesmo no rol de conhecimentos técnicos) do cliente e oferecer sessões de treinamento com preços acessíveis para ajudá-lo a se atualizar. A contabilidade é o ponto fraco de muitas empresas (sobretudo, as de menor porte) e um excelente ponto de partida.

Essas sessões devem ser extremamente úteis para o seu cliente e, quanto mais inovações agregar aos seus serviços de consultoria contábil, maiores serão as chances de gerar valor.

E aí, gostou do nosso post? Então, não perca a oportunidade de alavancar os resultados da sua empresa: entre em contato conosco e conheça as melhores soluções para o seu negócio!

Como o contador pode se manter sempre atualizado

Como o contador pode se manter sempre atualizado

Um contador atualizado é sinônimo de serviços bem prestados. A reciclagem profissional nessa área de atuação é determinante para a qualidade dos serviços executados, principalmente pelo fato da legislação fiscal do Brasil sofrer mutações com uma frequência muito grande.

As atividades que eram realizadas por esse profissional há pouco tempo já sofreram inúmeras modificações. Livros foram substituídos por arquivos digitais e obrigações que, anteriormente, demandavam dias de trabalhos manuais, passaram a ser realizadas com apenas alguns cliques.

Por esse motivo, neste artigo vamos mostrar como um contador pode se manter sempre atualizado em um contexto de mudanças frequentes. Confira!

A importância em se manter atualizado

A princípio, um contador precisaria apenas saber lidar com as questões contábeis que envolvem uma empresa. No entanto, sabemos que isso não é uma realidade aplicada ao novo formato de contabilidade exigida pelo mercado.

É fundamental que, além das atividades inerentes a essa área, o contador atualizado possua amplo conhecimento em contabilidade tributaria e também em questões jurídicas.

Este profissional deve conhecer bem o Código Civil brasileiro para auxiliar os seus clientes nas questões societárias e empresariais. Além disso, também precisa conhecer a atividade das empresas que estão sob sua responsabilidade contábil, pois essas questões impactam diretamente na apuração de seus tributos.

Um contador atualizado pode atuar na prevenção e no combate a erros ou falhas na apuração de impostos e no atendimento de obrigações fiscais acessórias, questões que podem gerar prejuízos diversos à empresa e seus responsáveis caso não sejam executadas de forma correta.

Além disso, o mercado atual exige profissionais que têm uma melhor preparação, que entendem que a sua profissão impacta diretamente na lucratividade da empresa e, se ele não possuir uma gama de conhecimentos gerais sobre negócios, pode prejudicar toda a operação dos seus clientes.

Maneiras que um contador pode se manter atualizado

A falta de opções de qualificação nunca poderá ser motivo para que um contador não se mantenha atualizado, uma vez que essa área de atuação possui incontáveis fontes de conhecimento. A seguir, algumas das principais formas de atualização. Continue lendo!

Cursos e palestras oferecidos pela entidade de classe

Tanto os CRCs espalhados pelos estados brasileiros quanto o CFC fornecem cursos de reciclagem com muita frequência. Portanto, basta que o profissional fique atento às notícias e aos comunicados sobre os treinamentos que os órgãos fornecem. Além disso, as delegacias regionais, presentes em quase todos os municípios, também oferecem diversos cursos com o auxílio dos órgãos mencionados.

As palestras também são uma excelente fonte de conhecimento para os profissionais da área contábil. Quem negligencia o conhecimento obtido nesse tipo de evento está perdendo uma excelente oportunidade de se manter atualizado e conhecer a experiência e o trabalho de outros profissionais da área.

Treinamentos online

Os treinamentos online vêm sendo os queridinhos dos contadores brasileiros. Isso porque, independentemente do local onde o profissional atua, ele tem a oportunidade de estudar com especialistas de uma determinada área que estejam em qualquer lugar do planeta.

Participação em eventos e encontros

Os encontros e eventos voltados aos profissionais de contabilidade, além de serem importantes para aumentar o networking, podem proporcionar um grande ganho em relação à capacitação e atualização profissional. Afinal, nesses locais se reúnem contadores que atuam em diversos ramos de atividade e possuem experiências distintas.

As conversas e troca de ideias entre bons contadores que estejam atualizados pode proporcionar um ganho de conhecimentos diversos em todas as vertentes da contabilidade, como a utilização de novos softwares, práticas contábeis, formas de distribuição de equipe, entre outras dicas.

Atualizações oferecidas pelas empresas de sistemas contábeis

As principais mudanças que ocorreram na contabilidade nos últimos anos têm relação com a tecnologia. Sendo assim, as empresas que comercializam softwares contábeis sempre fornecem treinamentos aos contadores com o objetivo de atualizá-los sobre novos processos e obrigações, o que, consequentemente, acaba contribuindo para o conhecimento sobre tais questões.

Com essas dicas, você já tem em mãos um guia para se tornar um contador atualizado e atender às demandas desse mercado em franco crescimento e expansão.

E então, gostou do post? Que tal continuar aprendendo sobre o assunto? Separamos para você um outro artigo especial e nele você encontrará 6 aplicativos que auxiliam na organização pessoal de um negócio.