6 dicas imperdíveis para gastar menos dinheiro no bar

6 dicas imperdíveis para gastar menos dinheiro no bar

Aproveitar a noite no bar pode ser uma ótima opção para se divertir com os amigos ou, quem sabe, encontrar uma pessoa especial. No entanto, se você não ficar atento, os custos envolvidos nesses momentos (tão merecidos) de relaxamento podem surpreendê-lo no fim do mês. Portanto, é imprescindível saber como gastar menos.

Neste artigo, apresentamos 6 excelentes dicas para você continuar saindo e, ainda assim, economizar. Boa leitura!

1. Evite drinks muito elaborados

Considere sempre que, com o passar do tempo, o custo das bebidas em bares e restaurantes aumenta significativamente. Além disso, quanto mais elaborada for sua bebida, mais cara ela será.

Pedir bebidas refinadas em uma noite movimentada nunca é uma boa ideia. Quando o barman está ocupado, não tem tempo (ou paciência) para servi-lo adequadamente. Isso significa que a sua bebida cara não será tão boa e pode até conter menos álcool.

2. Prefira cervejas nacionais

Se você é do time que curte uma cervejinha gelada, sabe que as nacionais são mais baratas do que as importadas e as artesanais. Portanto, se quiser fazer seu dinheiro durar a noite toda, prefira uma opção mais acessível.

Se, mesmo assim, você não for capaz de abrir mão das cervejas mais caras, tente, ao menos no fim da noite, migrar para as de menor valor. Afinal, depois de já ter ingerido “algumas” e sentir os efeitos, provavelmente não as apreciará com a mesma intensidade.

3. Pague com dinheiro

As pessoas que pagam com cartão de crédito tendem a se descuidar e rapidamente perder o foco em acompanhar de perto o quanto está sendo gasto.

É recomendável usar dinheiro no bar, pois, assim, você conta com um lembrete físico. Ou seja, as próprias cédulas o lembrarão de que precisa controlar seus gastos durante a noite. Você pode até mesmo definir um orçamento de antemão e levar apenas uma quantia limitada de dinheiro para ajudá-lo a gastar menos.

4. Ingira água entre uma bebida e outra

Uma boa forma de economizar, além de garantir que você não fique rapidamente embriagado, é beber água gelada entre as bebidas alcoólicas. Elas podem ser muito desidratantes, o que é uma das principais causas da ressaca na manhã seguinte.

Assim, além de ajudá-lo a gastar menos, ingerir água entre as bebidas é fundamental para que você não se sinta tão mal no dia seguinte.

5. Encontre um bar divertido

Procure um bar que ofereça mais do que apenas comidas e bebidas. Ao escolher um estabelecimento que disponibiliza, por exemplo, danças ou jogos, você pode aproveitar outras atividades, em vez de simplesmente dedicar toda a noite a beber e gastar dinheiro.

6. Aposte no “esquenta”

Beber com os amigos antes de chegar ao bar é outra ótima forma de gastar menos. Beber em casa é sempre mais barato. Apenas tome cuidado para não sair “daquele jeito” e perder a noite de diversão com a sua turma.

E aí, gostou do nosso post? Então, curta nossa página no Facebook e não perca nossas dicas! Também estamos no Twitter, Google+, e Instagram!

7 dicas práticas para economizar dinheiro no dia a dia

7 dicas práticas para economizar dinheiro no dia a dia

Muitas pessoas acreditam que economizar dinheiro é uma tarefa difícil. Afinal, existem contas a serem pagas, compromissos a serem cumpridos, um pouco de lazer… Assim, não é raro ouvir reclamações de que sobra muito mês no fim do salário, não é mesmo?

Então, isso também acontece com você? Pois, no artigo de hoje, viemos mostrar que, com algumas mudanças, um pouco de organização e disciplina é possível reverter essa situação e finalmente começar a poupar — ainda que, no começo, a economia seja pequena.

Quer saber como proceder? Então, confira as nossas dicas!

1. Crie e controle um orçamento financeiro

O primeiro passo para conseguir economizar dinheiro é criar um controle financeiro para o seu orçamento mensal.

Uma planilha contendo todos os gastos e receitas já é suficiente — ou, se você é mais tradicional ou não sabe lidar com esse recurso, pode fazer anotações em um caderno mesmo. Já para os que querem mais praticidade, é possível encontrar aplicativos para smartphone que cumprem bem a função.

Independentemente do método adotado, o importante é relacionar todos os seus custos durante o mês (até mesmo aquele lanche na padaria da esquina). O objetivo é começar a saber de que forma você gasta seu dinheiro, e qual é o seu perfil de consumo. A partir daí, fica mais fácil tomar decisões e promover mudanças.

2. Planeje suas compras

É aqui que começam as mudanças práticas nos seus hábitos. Antes de fazer qualquer aquisição, é preciso avaliar o valor total, a quantidade de parcelas (se for o caso), se existe risco de os compromissos se sobreporem e o gasto ser maior que a receita, entre outras questões.

Assim, evita-se atitudes impulsivas, ou pagar mais caro por um produto que pode ser pesquisado e negociado. Inclusive, o planejamento também vale para as compra de supermercado.

A recomendação aqui é fazer uma lista de tudo que precisa ser comprado, e comer antes de sair de casa — caso contrário, a tendência é adquirir mais do que o necessário e focar em itens mais calóricos.

3. Evite usar o cartão de crédito

O problema de usar cartão de crédito para as compras surge em decorrência da ilusão de poder de compra que esse recurso passa.

Muita gente comenta sobre a sensação de que “é só chegar e comprar”, e é aí que mora o perigo: falta de controle sobre as compras, gerando diversas parcelas que podem chegar a um montante alto.

Sendo assim, o ideal é fazer as aquisições à vista sempre que possível, e deixar os cartões para situações de emergência ou para produtos de alto valor, aproveitando o parcelamento. E vale lembrar que, quando sentimos os gastos no bolso, as chances de fazer compras por impulso ou supérfluas são bem menores.

4. Negocie descontos

Além dessas vantagens de comprar à vista, ainda vale ressaltar a possibilidade de barganhar bons descontos.

Essa estratégia, aliada ao planejamento das compras, permite que você pesquise os melhores preços e consiga negociar um abatimento no valor final, o que ajuda a economizar dinheiro e garantir um bom montante no final do ano.

Também vale a pena considerar os clubes VIPs e os sistemas de pontos, acompanhar promoções, entre outras opções que podem te ajudar a diminuir o valor de uma compra. Só se lembre de evitar comprar por impulso, o que pode ser evitado com duas perguntas básicas:

  • Eu preciso mesmo comprar isso agora?
  • Eu posso pagar por isso, ou o valor vai comprometer minhas economias?

Ao fazer essa breve reflexão, certamente você conseguirá diferenciar o que é, de fato, necessário do que é apenas empolgação. E isso já é um grande passo para começar a economizar.

5. Corte os gastos supérfluos

Por falar em gastos supérfluos, eles podem ser grandes vilões para seu objetivo de economizar dinheiro. Então, para identificá-los melhor, você pode analisar a sua planilha de orçamento mensal e fazer a revisão de cada valor.

Nesse sentido, pergunte-se:

  • O plano de telefonia (móvel e fixa) está de acordo com o meu consumo mensal, ou posso pegar outro com um valor inferior, que realmente atenda às minhas necessidades?
  • O pacote de TV a cabo é bem aproveitado ou existe um plano barato que ainda contempla os canais mais assistidos?
  • Existe a possibilidade de reduzir as refeições que são feitas fora de casa?

Note que não falamos sobre cortar completamente os gastos com questões que talvez você considere necessárias, mas sim de gastar o dinheiro apenas com algo que você realmente está utilizando — em vez de perder economias pagando mais caro por algo que pode ser evitado.

6. Crie metas para economizar dinheiro

Outra dica que pode ser fundamental para alcançar o seu objetivo é elaborar metas bem definidas de economia. Você pode, por exemplo, determinar que deseja guardar R$ 1.200 de janeiro a dezembro e, portanto, sabe que terá que economizar R$ 100 por mês para chegar a esse montante.

Nesse sentido, ter um propósito te ajuda a visualizar as ações que precisam ser tomadas e facilitar a decisão.

Para ajudar, você pode criar metas — sejam elas fictícias, reais (como fazer uma viagem ou trocar de carro), ou apenas ter a finalidade de criar uma reserva de emergência, para evitar apertos na hora de um imprevisto, por exemplo.

7. Tenha disciplina

Por fim, outro item que é indispensável para gerar economias é a disciplina. Afinal, não adianta criar controles e planejar a mudança de hábitos se nada disso for colocado em prática.

Comece a aplicar seus planos no dia a dia, mesmo que seja um passo de cada vez. Se não for possível economizar grandes quantias, comece poupando valores menores, e vá aumentando assim que for se adaptando à nova rotina. Lembre-se: mais importante que o valor é manter o hábito!

Bom, como podemos ver, é possível economizar dinheiro adotando pequenas medidas no cotidiano, sem que seja necessário fazer grandes sacrifícios. Os pontos principais estão na consciência de que é preciso mudar alguns hábitos e no cumprimento de tudo que foi planejado.

Então, gostou das nossas dicas? Quer acompanhar outros conteúdos como este? Então, aproveite agora para curtir a nossa página no Facebook e fique por dentro de todas as novidades que publicamos!

6 vantagens de usar um software personalizado

6 vantagens de usar um software personalizado

Algo bem estabelecido no mundo empresarial é o fato de que nenhuma organização pode prescindir de bons sistemas para ajudar no gerenciamento de seus diferentes setores e na manutenção de um fluxo saudável de processos. É nesse contexto que a opção por um software personalizado vem ganhando força em muitas empresas de sucesso.

Trata-se de algo a ser considerado com a devida seriedade, dada a sua capacidade de economizar importantes recursos, além de ser uma solução ergonômica para uma série de problemas.

Pensando nisso, ao longo deste artigo, apresentamos 6 excelentes vantagens da utilização de um software personalizado em sua empresa. Boa leitura!

1. Autossuficiência

Ao optar por um software personalizado, em vez de confiar no “cara da TI” para corrigir todos os problemas que surgirem, você adquire a capacidade de, em grande parte, lidar com eles por si mesmo.

Isso ocorre porque, ao comprar um software padronizado (ou fechado), você pode não entender como usá-lo plenamente. Reflita: se algo der errado, você mesmo poderá corrigir ou vai precisar de ajuda especializada?

É bem possível que você precise de auxílio externo, o que significará um gasto adicional. Ao contar com um sistema customizado para atender às suas necessidades específicas, você saberá exatamente como ele funciona. Ou seja, se houver algum problema ou algo inesperado acontecer, você estará melhor preparado.

2. Controle de custos

Os softwares padronizados que estão disponíveis no mercado têm um preço fixo e não permitem negociações. Em grande parte das vezes, isso pode levar a sua empresa a pagar por recursos que não utilizará ou a não obter tudo o que precisa por aquele valor.

No entanto, com um software personalizado, você paga apenas por aquilo de que realmente necessita. O desenvolvedor pode trabalhar diretamente com a sua empresa para, de acordo com o orçamento negociado, criar algo adequado.

Com um maior controle do seu orçamento, há maior flexibilidade. Se for do seu interesse, você poderá investir mais para refinar o sistema de acordo com as necessidades futuras ou economizar esse dinheiro para se preparar para eventualidades. Seja como for, a escolha será sempre sua.

3. Qualidade do serviço prestado ao cliente

Se o seu negócio opera no espaço B2B, não há nada mais importante do que a forma pela qual você interage com os clientes. Trate-os bem e você estará em uma posição muito melhor; trate-os mal e você pode começar lentamente a perdê-los e, consequentemente, a obter uma má reputação.

A satisfação de seus clientes é, portanto, absolutamente vital para o sucesso — o que não é novidade, certo? Porém, o que talvez nem todos saibam é que, com um software personalizado, é possível melhorar a qualidade dos serviços prestados, aumentando a retenção e os níveis de satisfação dos clientes.

Investindo nesse modelo de software, você pode garantir que o seu programa seja desenvolvido em torno da experiência do cliente, em vez de se concentrar em outras áreas menos essenciais.

Como resultado, você não será exclusivamente dependente de um grupo restrito de clientes. A customização do sistema pode contribuir para que você atenda às necessidades de cada um, melhorando a sua percepção de marca.

4. Agilidade nos processos

Você já desejou tornar alguns processos bem específicos mais fáceis? Bem, agora você pode! É perfeitamente possível aumentar a eficácia de qualquer processo, mesmo que não haja um produto disponível no mercado para atender às suas especificidades.

Deseja simplificar a comunicação interna com a sua equipe? Por que não criar uma aplicação para isso? Será que a sua empresa precisa de uma nova funcionalidade para controlar o fluxo de caixa ou melhorar a gestão de inventário? Você precisa de uma solução melhor para armazenar notas fiscais?

Em suma, você tem o mundo nas mãos. Se há algo que sempre quis fazer em sua empresa mas achava muito difícil, agora pode realizar! Lembre-se: você não estará mais limitado pelos softwares fechados e suas aplicações padronizadas. Em outras palavras, o software se ajustará a você, e não o contrário.

5. Escalabilidade

Com um software personalizado, seu negócio se tornará mais escalável. Afinal, se a empresa crescer e tiver uma necessidade súbita de expansão, você terá os meios para garantir que isso aconteça.

Se, ao contrário, o seu negócio diminuir de tamanho e não precisar de muitos recursos ou largura de banda, você pode reajustar em conformidade. Tal flexibilidade é crucial para empresas modernas que estão em constante movimento.

Dependendo das suas necessidades de negócio, pode ser difícil encontrar um software fechado que faça tudo o que você precisa.

Mesmo esse sendo um cenário improvável, a customização pode ser a única escolha se você precisa de um programa que faça algo muito particular e que não possa ser encontrado no mercado. Você pode adaptar as funcionalidades do sistema a um conjunto exato de especificações, assim garantindo sua adequação.

6. Atualizações constantes

Com softwares fechados, os usuários normalmente estão à mercê do fabricante. No entanto, e se os desenvolvedores de repente decidirem parar de oferecer suporte? E se, devido a uma questão comercial qualquer, não fornecerem mais atualizações e, não obstante, ainda restarem problemas a serem corrigidos no sistema que você estiver utilizando?

Há exceções a essa regra, é claro, mas são bem raras. Alguns softwares são de código aberto, o que permite que qualquer um pode criar e lançar atualizações. Entretanto, na maioria das vezes, os sistemas são descontinuados de acordo com as diretrizes do desenvolvedor.

Por outro lado, com o software personalizado, o fabricante é você! Como o sistema é customizado, você não se verá obrigado a confiar em um determinado fabricante para lançar atualizações. Você pode continuar a suportar o software você mesmo, com pouco ruído.

Você conhece o seu negócio melhor do que ninguém, portanto, será simples identificar outras formas pelas quais essa solução pode ser útil para a sua organização, evitando que ela seja autuada pela falta de um arquivo importante, por exemplo.

Enfim, tudo o que precisa fazer é manter a mente aberta: caso não seja exatamente um especialista na área de TI e nunca soube das vantagens de contar com um software personalizado, agora você tem uma infinidade de opções ao alcance das mãos. Basta decidir acessá-las e, com isso, melhorar definitivamente o seu negócio!

Gostou do artigo? Então assine a nossa newsletter e se mantenha sempre atualizado, recebendo todos os nossos conteúdos e novidades diretamente em seu e-mail!

5 dicas de como economizar para viajar

5 dicas de como economizar para viajar

“Viajar é coisa para gente rica” ou “Adoro viajar, mas não tenho dinheiro”. Esses são os principais argumentos das pessoas para justificar os motivos pelos quais elas viajam menos do que gostariam. No entanto, a maioria delas não sabe que, com determinação e disciplina, é possível economizar para viajar, inclusive para o exterior!

Muitos ainda têm em mente esse estigma de que aquela viagem dos sonhos é algo para pessoas ricas. Então, fica a questão: quantas vezes você já não viu aquele seu colega, com o mesmo poder aquisitivo do seu, fazendo uma viagem bacana? Certamente ele não ganhou na loteria, não é mesmo?! Portanto, muito provavelmente, ele remodelou hábitos visando transformar um sonho em realidade.

Neste artigo, separamos 5 dicas imbatíveis que vão ajudar você a economizar e planejar a viagem dos seus sonhos. Continue a leitura e confira!

1. Determine um objetivo

Antes de tudo, é preciso ter em mente seu objetivo. Pense no destino que você deseja conhecer e, a partir disso, reestruture seu cotidiano para alcançá-lo.

Coloque na ponta do lápis quanto dinheiro você ganha e quais são seus gastos fixos. Uma ótima alternativa é criar uma planilha ou usar aplicativos de gestão financeira para ajudá-lo a poupar.

Por fim, faça uma análise detalhada de todas essas contas e quais delas você consegue diminuir. Nesse processo, você verá que muitos gastos podem ser completamente eliminados. Além de economizar para viajar, esse é um ótimo exercício para ajeitar as contas diárias.

2. Corte gastos

Se o seu objetivo é viajar, leve em conta que os supérfluos precisarão ser eliminados ou, ao menos, reduzidos. Caso seja possível cortar esses gastos em definitivo, você conseguirá fazer uma economia mensal considerável.

Uma das maiores despesas das pessoas é com alimentação. É claro que precisamos nos alimentar, mas o simples fato de preparar a própria comida e levar uma marmita para o trabalho diariamente, por exemplo, pode trazer uma economia significativa no fim do mês.

Nesta perspectiva, corte o plano de TV a cabo que você quase não assiste, diminua seu pacote de minutos no celular e as assinaturas de revistas. Da mesma forma, também esqueça o cafezinho após o almoço, entre vários outros gastos desnecessários.

3. Encontre possibilidades para ter uma renda extra

Algumas vezes, apenas cortar gastos e economizar não é o suficiente. Dependendo do seu objetivo, será preciso encontrar maneiras de ganhar um dinheiro extra. Se você é designer ou jornalista, por exemplo, que tal buscar alguns freelas na sua área?

Outra boa opção é fazer uma verdadeira limpa na sua casa, procurando coisas que você não usa mais e vendê-las. Entre elas, podem estar livros que você já leu, roupas que não servem ou aquele televisor que você já não usa.

4. Busque formas alternativas de lazer

O lazer é um elemento muito importante no cotidiano das pessoas, pois ele ajuda a lidar melhor com o estresse do dia a dia.

No entanto, ele também pode ser uma fonte de gastos desnecessários. Neste sentido, você pode, por exemplo, substituir os gastos com o barzinho por uma noite de queijos e vinho em casa ou procurar por entretenimento ao ar livre — como um piquenique ou shows gratuitos.

5. Mantenha o foco

Abrir mão da sua rotina, criar hábitos diferentes e, sobretudo, economizar dinheiro não é uma tarefa fácil. Mas se você tiver em mente seu objetivo, quando finalmente atingi-lo, verá que todo o esforço foi recompensado.

Resista às tentações que vão desde convites para a balada no fim de semana até a ida àquele restaurante caro. Tenha foco e dedicação em prol dos seus sonhos.

Economizar para viajar pode parecer um bicho de sete cabeças, porém, se você abrir mão de alguns excessos no cotidiano, estará um pouco mais perto de realizar suas metas a cada dia. Colocando os gastos na ponta do lápis e fazendo um bom planejamento financeiro, você verá como é possível economizar para viajar mesmo sem ter um salário milionário.

Então, gostou do nosso artigo? Aproveite, compartilhe nossas dicas em suas redes sociais e convide seus amigos a economizarem também para que, juntos, vocês consigam planejar uma grande viagem!

Qual seu perfil de consumidor? Descubra aqui

Qual seu perfil de consumidor? Descubra aqui

Você tem total controle sobre suas finanças? Compra somente o necessário ou, vez por outra, se pega cometendo algum excesso? Esses comportamentos podem estar relacionados ao seu perfil de consumidor e conhecê-lo poderá melhorar a sua relação com o dinheiro.

É claro que não podemos viver obcecados em guardar dinheiro, sem nos permitir pequenos prazeres do consumo. Entretanto, gastar cada centavo do que ganhamos em coisas supérfluas também não é o melhor caminho. O ideal é manter o equilíbrio entre essas duas vertentes.

E isso só é possível quando conhecemos exatamente o nosso padrão de comportamento em relação às finanças. Para ajudá-lo, listamos abaixo os principais perfis de consumidor e suas características:

1. Consciente

Trata-se do perfil que pode ser considerado “ideal”. O indivíduo possui autocontrole e consciência suficientes para analisar se realmente precisa daquele produto, se suas finanças permitem comprá-lo e qual a melhor forma de pagamento.

Ele pesquisa preços, leva em consideração a qualidade e planeja seus investimentos. Além disso, conhece seus direitos como consumidor e não se deixa levar por impulsos.

Um comprador consciente não hesita em dizer não para um familiar (ou para si mesmo) quando se trata de um investimento que julga desnecessário ou para o qual não está financeiramente preparado. Equilíbrio é a sua palavra-chave.

2. Alienado

O comprador alienado simplesmente vai e compra no primeiro lugar que encontra o produto desejado. Ele não pesquisa preços, o que pode fazer com que acabe pagando muito mais do que o produto realmente vale.

Além disso, o consumidor que se enquadra nesse perfil não conhece seus direitos como tal, portanto acha mais fácil jogar fora aquele item de mercado que veio estragado, embora estivesse na validade, do que ter a dor de cabeça de voltar ao local da compra e exigir uma troca.

3. Consumista

Imagine a seguinte cena: você tem 50 camisetas polo em seu guarda-roupa, incluindo algumas que nunca sequer usou. Você passa em frente a uma loja, vê uma promoção irresistível do item e acaba comprando mesmo que, provavelmente, você não vá usá-la.

Se você se identificou com a cena descrita acima, aposto que isso já aconteceu outras vezes. É bem possível que tenha sido assim com aquela caixa de ferramentas de jardinagem que está esquecida em um quartinho na sua casa, a torradeira que você usou só no dia em que comprou (você nem é lá muito fã de torradas, mas viu a torradeira da casa do seu vizinho e sentiu vontade de ter uma igual) e muitos outros objetos.

O prazer do consumista é comprar, sem pensar se utilizará ou não os produtos depois. Ele muitas vezes não os utiliza, compra apenas por impulso ou porque outra pessoa do seu convívio tem aquele objeto. Não para e pensa que o fato de aquele objeto ser útil para outra pessoa, não significa necessariamente que o será para ele: cada um tem o seu estilo de vida.

4. Compulsivo

Trata-se de um grau de desequilíbrio um pouco maior do que o consumista. Nesse caso, a pessoa compra para compensar suas frustrações do dia a dia. Se ela está com um problema no trabalho, ela compra qualquer coisa, o que aparecer, apenas para preencher o vazio que sente.

Quando briga com um familiar, sua terapia é sair para comprar. Tudo em sua vida é resolvido com compras. Trata-se de uma pessoa que possui um problema e necessita de ajuda para controlar suas finanças.

Normalmente, está sempre endividado e não consegue progredir na vida. A melhor solução para essa pessoa é procurar um psicólogo que o ajudará a controlar a ansiedade por meio de outros canais, que não sejam as compras.

5. Pesquisador

Diferente do consciente, que pesquisa o necessário e acredita ter feito um bom negócio, o comprador pesquisador perde muito tempo comparando preços dos itens de que precisa.

Um centavo de diferença é o suficiente para que ele fique indeciso. E a questão não é somente o preço: ele tem dúvidas sobre qual marca comprar, em qual loja e, no fim, pensa até em desistir da compra. Muitas vezes acaba renunciando, de fato, ao produto.

Quando não desiste, quase sempre se arrepende, por acreditar que não fez um bom negócio ou que se deixou ser enganado. Algumas dúvidas são normais, mas essa indecisão toda tende a ser patológica.

6. Emocional

Também conhecido como impulsivo, se deixa levar por seus impulsos na hora de comprar. Diante de determinados itens à venda, ele não racionaliza e tende a adquiri-los baseando-se somente em suas emoções.

Quer um exemplo? Você está de dieta, mas, quando percebe, já encheu o seu carrinho de guloseimas, em vez de pegar somente os itens necessários para a despesa.

Esse é um bom exemplo do comportamento do comprador emocional. Ele quase sempre compra baseando-se na intuição, superstição e desejos momentâneos.

O ideal para quem tem esse perfil é fazer uma lista de compras e tentar ater-se a ela. Caso pense em comprar algo fora do script, uma reflexão mais profunda pode ajudar a ver se o produto é realmente necessário ou trata-se de apenas mais um impulso.

7. Racional

Trata-se do oposto do comprador emocional. Esse tipo de consumidor só compra quando é estritamente necessário. Difere-se do consciente, pois não se permite fazer sequer uma concessão.

É o tipo de pessoa que deixa de viajar nas férias com a família, pois considera esse momento como supérfluo e, portanto, desnecessário. Os amigos costumam chamá-lo de pão duro e ele acredita estar certo, afinal, o importante é economizar.

Falta-lhe o equilíbrio de analisar cada situação e cada possibilidade. Uma viagem, por exemplo, pode ser considerada como investimento pessoal, e não como mera despesa.

Viajar permite o ganho de conhecimentos, inspiração para novas ideias e contatos com diferentes pessoas. Mas o comprador racional é incapaz de ver as coisas por esse ângulo: para ele, o único bem importante é o dinheiro. Com isso, pode acabar perdendo todas as outras possibilidades.

Nossas dicas ajudaram você a descobrir qual o seu perfil de consumidor? Assine a nossa newsletter e fique por dentro de tudo o que você precisa saber para melhorar a sua relação com as finanças.

Confira 6 aplicativos para organização

Confira 6 aplicativos para organização

É muito comum encontrarmos um número cada vez maior de pessoas desorganizadas e que não conseguem gerenciar as tarefas do dia a dia. No entanto, com o avanço da tecnologia os aplicativos para organização podem ser a saída ideal para quem quer aumentar a produtividade e gerenciar melhor a vida.

Trabalho em excesso, rotina desgastante e cheia de afazeres, a correria tem dominado o cotidiano das pessoas. Seja nas ideias, finanças ou atividades diárias, manter a rotina organizada pode te ajudar a aumentar seu rendimento no trabalho, poupar tempo e até mesmo dinheiro!

Confira a seguir 6 sugestões de aplicativos que ajudarão você a organizar sua rotina.

1. Evernote

O Evernote é o app ideal para quem necessita de recursos extras em suas anotações. O aplicativo permite ao usuário incluir fotos, anexar documentos, criar tags para catalogar as notas e, até mesmo, arquivos em áudio.

Disponível nas plataformas Android e iOS, o Evernote possibilita a criação de notas compartilhadas com outros usuários. Você ainda pode sincronizar suas notas com qualquer dispositivo em que o Evernote esteja instalado, para isso basta fazer o login com seus dados já cadastrados.

2. Pocket

Você gosta de ler pela internet, mas acaba perdendo os artigos que aparecem na sua tela de celular? O Pocket é a pedida para quem deseja salvar textos e matérias com apenas um clique.

O app, que anteriormente chamava-se “Read It Later”, permite ao usuário salvar links e baixar os conteúdos, que podem ser lidos até mesmo sem acesso à internet. O Pocket está disponível para download nos sistemas operacionais iOS e Android.

3. Wunderlist

O Wunderlist é um aplicativo que permite ao usuário criar todos os tipos de listas de afazeres. Desde pequenas tarefas como “tirar o lixo” até importantes reuniões ou projetos, as anotações no app têm alertas que notificam o usuário quando está no limite da realização de cada compromisso.

É possível fazer o download do Wunderlist em dispositivos com sistemas Android, iOS e Kindle.

4. Google Keep

Com uma interface simples, o Google Keep é um aplicativo no qual o usuário pode armazenar ideias e afazeres do dia a dia. O app está disponível para download nas plataformas Android, iOS e Google Chrome.

Com ele é possível organizar as anotações de maneira mais prática, além de criar lembretes para determinados locais. Desta forma, o usuário terá acesso à lista criada para aquela localização assim que chegar ao destino final.

5. Meu Gestor

O Meu Gestor é um aplicativo que permite ao usuário gerenciar suas entradas de dinheiro, gastos gerais, pagamentos de contas e até transferências bancárias. É possível incluir movimentações com facilidade, acompanhar as despesas por meio de gráficos criados pela própria interface e até mesmo fazer o backup por nuvem de toda a sua vida financeira.  

Disponível para download na loja Google Play, o Meu Gestor possui navegação simples e possibilita ainda que o usuário controle diferentes contas bancárias em um único acesso. 

6. HabitBull

O HabitBull permite acompanhar o progresso dos hábitos registrados no aplicativo. Sejam eles bons ou não, a plataforma disponibiliza gráficos que mostram a evolução das atividades realizadas no dia a dia.

É possível também receber lembretes que podem auxiliar o usuário a aumentar sua produtividade diária. O HabitBull está disponível para download nos sistemas operacionais Android e iOS.

A tecnologia mudou a vida das pessoas no setor profissional, familiar, social e de relacionamentos. Agora, com a ajuda dos aplicativos para organização, as pessoas também podem ter um dia a dia mais produtivo e equilibrado.

Se você gostou das nossas dicas, confira também: 6 dicas para gerenciar o tempo em escritórios de contabilidade!