Dúvidas sobre como cancelar uma nota fiscal eletrônica? Tire aqui!

Dúvidas sobre como cancelar uma nota fiscal eletrônica? Tire aqui!

As notas fiscais eletrônicas (NF-e) estão no mercado há pouco tempo, mas já fazem uma grande diferença na vida de quem trabalha com comércio e prestação de serviços, dando agilidade, eficiência e segurança na comprovação de transações.

Como somos todos humanos, errar é sempre uma possibilidade, mesmo quando se trata do preenchimento de um documento, como é o caso. Muitas pessoas ainda não sabem como cancelar uma nota fiscal eletrônica e passam apertado quando percebem um equívoco depois do envio.

Se você é uma dessas pessoas, não se preocupe! Nós temos todas as informações que você precisa bem aqui. Confira!

Quando preciso cancelar uma NF-e?

Sempre que houver erros nos dados que constam na nota, é preciso que isso seja notificado, mas não são todos os casos que requerem cancelamento. Se o valor do imposto estiver menor do que o correto, por exemplo, basta emitir uma nota complementar.

Quando a errata não modificar dados essenciais (datas, valores, identificação ou endereço do destinatário), ela poderá ser feita por meio de uma carta de correção eletrônica (CC-e) no prazo de até 30 dias, e podem ser feitas até 20 sucessivas para uma mesma nota (sendo a última a que terá valor oficial).

Nas demais situações, o cancelamento é obrigatório. 

Até quando posso cancelar?

Segundo a lei brasileira, uma NF-e só pode ser cancelada dentro do prazo máximo de 24 horas corridas de seu envio. O prazo pode ser menor de acordo com o estado em que a nota foi emitida. Procure saber da legislação estadual vigente.

Mesmo dentro desse tempo, o cancelamento não será mais possível se:

  • já houver manifestação de Ciência de Emissão pelo cliente;
  • o produto ainda estiver em circulação.

Se esse for o caso, veja mais abaixo como proceder.

Como cancelar uma nota fiscal eletrônica?

  1. Dentro do software que você utiliza para emitir NF-es, procure pela opção “cancelar nota fiscal”, ou algo que o valha — pequenas variações podem ocorrer, mas todos os programas possuem um ícone com essa função. Clique e confirme o cancelamento.
  2. Aguarde a resposta da Receita Federal, indicando que o caso foi analisado e a nota cancelada.
  3. Faça uma nova nota (com novo número) para substituir a nota cancelada.

 O que fazer se não puder mais cancelar?

A forma de agir depende do motivo que impossibilita o cancelamento.

Se o problema foi o tempo, é possível fazer uma denúncia espontânea por perda de prazo de cancelamento em uma agência da Receita Federal. Aceita a denúncia, o cancelamento volta a estar disponível eletronicamente.

O ideal é evitar que isso aconteça, já que essa operação é seguida de multa de 1,5% (também pode variar de acordo com o estado) sobre o valor da nota.

A lei estadual pode vetar o cancelamento tardio da nota ou podem ocorrer os impedimentos já citados acima. Nesses casos, o cancelamento em si não será possível. É preciso que o cliente faça uma nota de devolução ou que o prestador de serviço faça uma nota de estorno, indicando que a mercadoria voltou ao estoque.

Agora que você já sabe como cancelar uma nota fiscal eletrônica, não deixe de assinar a nossa newsletter para ficar por dentro das melhores dicas e novidades sobre o mundo da contabilidade!

6 vantagens de usar um software personalizado

6 vantagens de usar um software personalizado

Algo bem estabelecido no mundo empresarial é o fato de que nenhuma organização pode prescindir de bons sistemas para ajudar no gerenciamento de seus diferentes setores e na manutenção de um fluxo saudável de processos. É nesse contexto que a opção por um software personalizado vem ganhando força em muitas empresas de sucesso.

Trata-se de algo a ser considerado com a devida seriedade, dada a sua capacidade de economizar importantes recursos, além de ser uma solução ergonômica para uma série de problemas.

Pensando nisso, ao longo deste artigo, apresentamos 6 excelentes vantagens da utilização de um software personalizado em sua empresa. Boa leitura!

1. Autossuficiência

Ao optar por um software personalizado, em vez de confiar no “cara da TI” para corrigir todos os problemas que surgirem, você adquire a capacidade de, em grande parte, lidar com eles por si mesmo.

Isso ocorre porque, ao comprar um software padronizado (ou fechado), você pode não entender como usá-lo plenamente. Reflita: se algo der errado, você mesmo poderá corrigir ou vai precisar de ajuda especializada?

É bem possível que você precise de auxílio externo, o que significará um gasto adicional. Ao contar com um sistema customizado para atender às suas necessidades específicas, você saberá exatamente como ele funciona. Ou seja, se houver algum problema ou algo inesperado acontecer, você estará melhor preparado.

2. Controle de custos

Os softwares padronizados que estão disponíveis no mercado têm um preço fixo e não permitem negociações. Em grande parte das vezes, isso pode levar a sua empresa a pagar por recursos que não utilizará ou a não obter tudo o que precisa por aquele valor.

No entanto, com um software personalizado, você paga apenas por aquilo de que realmente necessita. O desenvolvedor pode trabalhar diretamente com a sua empresa para, de acordo com o orçamento negociado, criar algo adequado.

Com um maior controle do seu orçamento, há maior flexibilidade. Se for do seu interesse, você poderá investir mais para refinar o sistema de acordo com as necessidades futuras ou economizar esse dinheiro para se preparar para eventualidades. Seja como for, a escolha será sempre sua.

3. Qualidade do serviço prestado ao cliente

Se o seu negócio opera no espaço B2B, não há nada mais importante do que a forma pela qual você interage com os clientes. Trate-os bem e você estará em uma posição muito melhor; trate-os mal e você pode começar lentamente a perdê-los e, consequentemente, a obter uma má reputação.

A satisfação de seus clientes é, portanto, absolutamente vital para o sucesso — o que não é novidade, certo? Porém, o que talvez nem todos saibam é que, com um software personalizado, é possível melhorar a qualidade dos serviços prestados, aumentando a retenção e os níveis de satisfação dos clientes.

Investindo nesse modelo de software, você pode garantir que o seu programa seja desenvolvido em torno da experiência do cliente, em vez de se concentrar em outras áreas menos essenciais.

Como resultado, você não será exclusivamente dependente de um grupo restrito de clientes. A customização do sistema pode contribuir para que você atenda às necessidades de cada um, melhorando a sua percepção de marca.

4. Agilidade nos processos

Você já desejou tornar alguns processos bem específicos mais fáceis? Bem, agora você pode! É perfeitamente possível aumentar a eficácia de qualquer processo, mesmo que não haja um produto disponível no mercado para atender às suas especificidades.

Deseja simplificar a comunicação interna com a sua equipe? Por que não criar uma aplicação para isso? Será que a sua empresa precisa de uma nova funcionalidade para controlar o fluxo de caixa ou melhorar a gestão de inventário? Você precisa de uma solução melhor para armazenar notas fiscais?

Em suma, você tem o mundo nas mãos. Se há algo que sempre quis fazer em sua empresa mas achava muito difícil, agora pode realizar! Lembre-se: você não estará mais limitado pelos softwares fechados e suas aplicações padronizadas. Em outras palavras, o software se ajustará a você, e não o contrário.

5. Escalabilidade

Com um software personalizado, seu negócio se tornará mais escalável. Afinal, se a empresa crescer e tiver uma necessidade súbita de expansão, você terá os meios para garantir que isso aconteça.

Se, ao contrário, o seu negócio diminuir de tamanho e não precisar de muitos recursos ou largura de banda, você pode reajustar em conformidade. Tal flexibilidade é crucial para empresas modernas que estão em constante movimento.

Dependendo das suas necessidades de negócio, pode ser difícil encontrar um software fechado que faça tudo o que você precisa.

Mesmo esse sendo um cenário improvável, a customização pode ser a única escolha se você precisa de um programa que faça algo muito particular e que não possa ser encontrado no mercado. Você pode adaptar as funcionalidades do sistema a um conjunto exato de especificações, assim garantindo sua adequação.

6. Atualizações constantes

Com softwares fechados, os usuários normalmente estão à mercê do fabricante. No entanto, e se os desenvolvedores de repente decidirem parar de oferecer suporte? E se, devido a uma questão comercial qualquer, não fornecerem mais atualizações e, não obstante, ainda restarem problemas a serem corrigidos no sistema que você estiver utilizando?

Há exceções a essa regra, é claro, mas são bem raras. Alguns softwares são de código aberto, o que permite que qualquer um pode criar e lançar atualizações. Entretanto, na maioria das vezes, os sistemas são descontinuados de acordo com as diretrizes do desenvolvedor.

Por outro lado, com o software personalizado, o fabricante é você! Como o sistema é customizado, você não se verá obrigado a confiar em um determinado fabricante para lançar atualizações. Você pode continuar a suportar o software você mesmo, com pouco ruído.

Você conhece o seu negócio melhor do que ninguém, portanto, será simples identificar outras formas pelas quais essa solução pode ser útil para a sua organização, evitando que ela seja autuada pela falta de um arquivo importante, por exemplo.

Enfim, tudo o que precisa fazer é manter a mente aberta: caso não seja exatamente um especialista na área de TI e nunca soube das vantagens de contar com um software personalizado, agora você tem uma infinidade de opções ao alcance das mãos. Basta decidir acessá-las e, com isso, melhorar definitivamente o seu negócio!

Gostou do artigo? Então assine a nossa newsletter e se mantenha sempre atualizado, recebendo todos os nossos conteúdos e novidades diretamente em seu e-mail!

NF-e de entrada e saída: entenda o que são e como fazer o lançamento

NF-e de entrada e saída: entenda o que são e como fazer o lançamento

As NF-e de entrada e de saída são elementos fundamentais na gestão e administração de uma empresa. A primeira registra as compras realizadas e a segunda, as vendas ocorridas. Sendo assim, registrar esse tipo de documento fiscal é algo que deve ser realizado com muito cuidado e atenção.

Uma falha nesse processo pode gerar informações incorretas que são encaminhadas a outros setores, prejudicando severamente a gestão da empresa. 

Mas o que são as NF-e de entrada e de saída? Para que serve e como emiti-las? Se você também tem essas e outras dúvidas, acompanhe o post! Nele, vamos diferenciar os documentos e ensinar você a maneira correta de realizar os lançamentos ou registros desses tipos de documentos!

O que é NF-e de entrada?

Basicamente, a nota fiscal eletrônica de entrada é um serve para comprovar a movimentação de mercadorias recebidas. Por meio dela, uma empresa realiza o registro de compras, alimenta o seu sistema de gestão de estoques, gera obrigações para o departamento financeiro além de fornecer informações importantes para o departamento fiscal e para a contabilidade.

Os créditos tributários a que algumas empresas têm direito são obtidos por meio das notas fiscais de entrada. Assim, quando esses documentos não são corretamente lançados uma empresa pode até mesmo pagar mais impostos do que realmente seria devido.

As notas fiscais de entrada também servem à gestão da empresa no que se refere às obrigações geradas no departamento financeiro. Por meio dela esse setor realiza o pagamento ao fornecedor que vendeu a mercadoria.

Assim, podemos afirmar que a NF-e de entrada cria um processo de integração que vai desde o seu registro no software de gestão até a realização dos devidos pagamentos. No entanto, ela não serve somente a esse tipo de procedimento.

A NF-e de entrada também é utilizada quando há a ocorrência de alguma dessas situações:

  • transferência de itens ou produtos para outros estoques ou armazéns;
  • quando ocorre o chamado retorno de industrialização (procedimento em que a mercadoria é enviada a um terceiro para realizar algum beneficiamento e retorna ao estoque da empresa);
  • retorno de mercadorias transferidas para exposição;
  • entrada de produtos para reparo ou troca.

O que é NF-e de saída?

A nota fiscal de saída é o documento relativo às vendas realizadas pela empresa. O seu registro ou escrituração produz uma série de informações para diversos setores de um negócio.

Ela realiza a movimentação do estoque (baixando os produtos vendidos), gera informações ao departamento de contas a receber além de outros dados importantes para o setor fiscal e contábil.

Por meio dela é extraída a base de cálculo dos tributos que a empresa deverá recolher. Assim, quando há erros na emissão desse tipo de documento, os responsáveis pela apuração de impostos podem ser induzidos a erros que podem causar sansões graves para o negócio.

Quando as notas fiscais de saída não são lançadas, os órgãos de arrecadação e fiscalização tributária podem acusar a empresa de omitir receitas para sonegar impostos, o que é considerado crime pela legislação fiscal brasileira.

Portanto, quem falha na escrituração de suas notas fiscais de saída perde a oportunidade de alcançar um altíssimo nível de gestão e administração. Além disso, corre sérios riscos de sofrer sansões, que geralmente causam prejuízos incalculáveis, podendo inclusive resultar no fechamento da empresa.

A nota fiscal de saída também será utilizada quando ocorrerem operações como o envio de produtos para reparo ou conserto bem como devolução de mercadorias adquiridas.

Qual a diferença entre a NF-e de entrada e de saída?

A principal diferença entre a NF-e de entrada e a de saída está relacionada ao tipo de operação realizada. No primeiro caso temos a ocorrência de uma compra ou a chegada de um produto no estoque da empresa.

A NF-e de saída é o documento comprobatório de receitas auferidas. Ela também movimenta o estoque, no entanto, para diminuir os valores escriturados nele.

Como é feita a emissão da saída?

A emissão da NF-e de saída deverá ser realizada utilizando um software específico para essa finalidade. Nele você informará os dados essenciais de uma nota fiscal, os quais vamos listar logo abaixo:

  • dados do cliente (nome, CNPJ ou CPF, Inscrição Estadual e endereço completo);
  • dados do produto vendido (descrição, código, quantidade, unidade de medida, tributação e valor);
  • códigos diversos para designar as questões tributárias (NCM, CST, CEST e CFOP);
  • informações sobre o frete das mercadorias;
  • informações sobre as faturas geradas.

De posse desses dados, você poderá emitir a sua nota fiscal eletrônica de saída, no entanto, ainda falta um elemento essencial para finalizar o processo: o certificado digital. Essa ferramenta é a responsável por dar validade jurídica e veracidade à NF-e emitida.

Como é feito o lançamento da NF-e de entrada?

A NF-e de entrada deve ser registrada em um software de gestão próprio e de preferência integrado com outros departamentos da empresa.

De posse do Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (DANFE) você iniciará o processo identificando o fornecedor emitente do documento que está sendo escriturado. Feito isso, basta cadastrar os produtos, inserindo todos os dados existentes como códigos, descrição, unidade de medida, quantidade, valor etc.

Algumas empresas utilizam uma ferramenta que realiza a leitura dos 44 dígitos da chave de acesso da nota fiscal eletrônica. Esse procedimento pode ser realizado com um equipamento de identificação de código de barras.

Alguns softwares realizam o download do arquivo XML diretamente do portal da NF-e, facilitando muito o processo de registros das notas fiscais de entrada da sua empresa. Esse procedimento dispensa o lançamento manual de cada um dos elementos que compõem o documento.

Ainda sobre o registro ou escrituração das notas de entrada, é importante mencionar sobre o seu arquivamento. Muitas empresas armazenam apenas o DANFE e esquecem que o principal documento a ser armazenado é o arquivo XML.

A empresa que não guarda esses documentos pelo prazo exigido na Legislação Fiscal pode sofrer penalidades graves em casos de fiscalização ou auditoria.

Portanto é muito importante que, além de registrar corretamente ambos os tipos de operações e seus documentos fiscais correspondentes, seja realizado o armazenamento das notas fiscais, principalmente, em meio digital (arquivo XML) e físico (DANFE).

Gostou deste artigo sobre a diferença entre a NF-e de entrada e de saída? Que tal aprender mais sobre contabilidade e negócios? Então, confira o nosso artigo sobre os 6 erros de gestão que você não pode cometer!

Posso ser autuado por falta de XML?

Posso ser autuado por falta de XML?

A Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) é um documento que existe apenas digitalmente, ou seja, ele é emitido e armazenado eletronicamente (no formato XML), com o intuito de documentar a prestação de serviços ou circulação de mercadorias entre as partes. Sua validade jurídica é autenticada pela assinatura digital do emissor e a recepção, pelo fisco, do documento eletrônico, antes que ocorra o Fato Gerador.

Se você não é muito familiarizado com termos jurídicos utilizados no Direito Tributário, vale a pena explicar que “Fato Gerador” é comumente utilizado para designar o momento em que nasce uma obrigação jurídica para se pagar um determinado tributo.

A NF-e modelo 55 é um arquivo em formato XML que veio para substituir a Nota Fiscal em papel Modelo 1 e 1-A. A legislação vigente (2017) exige que você mantenha guardado à disposição do fisco pelo prazo mínimo de cinco anos, conforme determina o artigo 202 do RICMS/SP.

Como citado anteriormente, a NF-e possui sua validade jurídica e fiscal assegurada pela assinatura digital. Isso é feito através do uso de um certificado digital, que nada mais é do que um arquivo que serve como uma espécie de identidade virtual que permite sua identificação de maneira segura.

Posso ser multado por falta de XML?

A resposta curta e direta é: sim, você pode ser multado por falta de XML. Cada unidade federativa tem o poder de decidir o total do montante a ser pago na multa pela ausência de algum documento fiscal.

O CONFAZ, por meio da cláusula décima do ajuste SINIEF 07/2015, determina que o emissor da NF-e deve mantê-la armazenada, em arquivo digital, e à disposição do fisco sempre que for solicitado. Todos os contribuintes do ICMS, optantes ou não pelo Simples Nacional, possuem a obrigação de guardar o XML da NF-e.

Como posso armazenar o XML do meu NF-e?

Se você deseja armazenar, com segurança, todos os seus arquivos XML, sejam eles de saída ou de entrada de mercadoria, você deveria pensar em contratar uma ferramenta para lhe auxiliar no gerenciamento de suas NFe’s

Clique aqui para conhecer melhor o Farejador. Comece hoje mesmo a localizar suas NF-es de forma inteiramente gratuita!

Posso baixar DANFe usando o arquivo XML da minha NF-e?

Posso baixar DANFe usando o arquivo XML da minha NF-e?

Muitos profissionais, mesmo os mais experientes, ainda se deparam com muitas dúvidas a respeito da contabilidade de empresas de pequeno, médio ou grande porte. Isso se deve ao fato de que o mundo fiscal é enorme, repleto de detalhes e pormenores que muitas vezes servem apenas para enrolar a cabeça das pessoas e tornar tudo mais confuso.

Infelizmente, você não pode se dar ao luxo de errar no mundo do fisco. A fiscalização não perdoa e alegar desconhecimento de determinado processo ou lei não irá eximir sua responsabilidade e tão pouco irá evitar que você sofra as sanções previstas em lei. Por isso, estar atento e compreender bem tudo que você pode ou não fazer é um passo essencial para que você possa fazer o melhor planejamento estratégico de sua empresa, bem como ter a certeza de que você está agindo dentro do que é permitido pela legislação vigente.

Se você precisa de ajuda para se organizar, talvez você queira conferir estes 6 aplicativos que podem te ajudar.

Um exemplo destes erros tão comuns é a falsa noção de que o DANFe pode ser utilizado como um documento fiscal juridicamente válido. É importante compreender que ele é apenas um documento que acompanha o transporte de produtos e mercadorias. Apesar disso, você também não pode cair no erro de menosprezar a importância do DANFe, pois sem ele você não pode transportar suas mercadorias.

Por que é importante guardar meus XML?

Você sabe quais são os motivos que tornam imperativo que você tenha um processo de gestão voltado para armazenar Notas Fiscais Eletrônicas (NFe’s)?

Caso você ainda não saiba, o arquivo XML das suas Notas Fiscais precisa ser armazenado pelo prazo legal de cinco anos, tanto por aquele que fornece quanto por aquele que compra. O não cumprimento desta exigência jurídica pode acarretar em multas de até R$1000 por cada documento extraviado.

Além da importância jurídica, o correto armazenamento dos XMLs das suas NFes, lhe auxiliará em caso de falência. Muitas empresas não conseguem comercializar seus próprios bens pelo simples fato de não possuírem os documentos fiscais correspondentes para que possam ser repassados ao seu comprador.

No mundo dos negócios, sempre prezamos para que todas as transações ocorram de forma transparente, honesta e sem quaisquer problemas com os clientes/compradores. No entanto, desavenças sempre podem ocorrer, principalmente quando se trata de alguém agindo de má-fé. No Brasil, como em qualquer outro país do mundo, o cliente tem sempre razão e é obrigação da empresa provar que ela está certa. O armazenamento das Notas Fiscais protege você e seu negócio de eventuais acusações, podendo servir como prova de sua boa-fé.

Por fim, o seu documento XML é essencial para que você possa baixar o DANFe online. Quer saber como?

Como gerar o DANFe online?

Se, por algum motivo, você precisa obter seu DANFe online por meio de arquivos XML, você pode fazê-lo tranquilamente utilizando o Farejador. Tudo que você precisa é ou informar suas chaves de acesso ou enviar o arquivo XML e seu documento será gerado em formato PDF, perfeitamente adaptado para a impressão.

É muito importante poder contar com uma ferramenta que possa auxiliá-lo a gerar o seu DANFe sempre que necessário, tendo em visto que se trata de um documento físico, ele está muito mais sujeito a imprevistos como extravios e perdas.

Respondemos suas dúvidas? Você está gostando dos nossos artigos? Fale com a gente nos comentários, temos nossa equipe pronta para respondê-lo!

Por quanto tempo devo armazenar Notas Fiscais da minha empresa?

Por quanto tempo devo armazenar Notas Fiscais da minha empresa?

Se você veio até este artigo atrás de uma resposta rápida e sem enrolação, aqui vai ela: o prazo legal imposto para o armazenamento da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), estabelecido pela legislação brasileira, é de cinco anos. Em outras palavras, você precisa armazenar seus arquivos XML e mantê-los à disposição da Receita Federal por até cinco anos.

A perda de qualquer um de seus documentos pode acarretar em multas ou, em casos mais graves, pode resultar até em prisão sob a acusação de crime tributário. Este é um risco que você não pode correr. Por isso, é importante compreender bem como a legislação brasileira funciona – até como uma forma de se proteger da tributação excessiva e trabalhar melhor neste cenário tão agressivo ao empreendedor.

Se você tem outras dúvidas a respeito do armazenamento de Notas Fiscais na sua empresa, continue acompanhando este artigo, listamos algumas das principais preocupações a este respeito.

O DANFe possui validade jurídica?

Não, o DANFe não possui validade jurídica. Trata-se de um documento impresso que serve para acompanhar o produto comercializado durante o seu transporte. Ele não tem a necessidade de ser armazenado como a Nota Fiscal Eletrônica (arquivo XML). No entanto, ele ainda é importante, pois serve para provar o valor de seus produtos, bem como comprovar sua origem em caso de uma fiscalização do transporte.

Como localizar Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e)?

Compreendendo a importância de armazenar suas Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e), você precisa de uma ferramenta capaz de buscá-las rapidamente, em qualquer lugar que você estiver.

Já existem inúmeras ferramentas que lhe auxiliam com a localização e armazenamento de Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e) de forma gratuita. O Farejador é uma delas, capaz de tornar este trabalho muito mais simples e fácil. Sendo esta ferramenta diretamente ligada ao banco de dados da SEFAZ, você poderá visualizar suas NF-es de qualquer lugar, com incrível precisão e velocidade.

Como armazenar Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e)?

Em primeiro lugar você precisa ter em mente que você precisa de ordem e organização. Se você armazena suas Notas Fiscais Eletrônicas de maneira confusa e dispersa, imagina o tempo que você irá gastar para localizar uma NF-e perdida lá pelos idos de 2014?

Não é preciso repetir aqui o velho adágio que afirma que “tempo é dinheiro”, certo?

A organização de seus documentos fiscais aumenta a produtividade de sua empresa, que poderá contar com tudo que precisa sempre que necessário, de forma fácil e descomplicada.

Portanto, além de contar com uma ferramenta capaz de armazenar seus documentos fiscais, ela precisa também lhe auxiliar na melhor organização e disposição delas, para que sejam facilmente localizáveis sempre que necessário.

Neste sentido, a melhor plataforma para tal fim é o Farejador, pois ele permite que você possa armazenar suas Notas Fiscais de produtos e serviços em nuvens digitais. Além de gozar dos benefícios proporcionados pela facilidade de armazenamento e organização, você também pode contar com a segurança e proteção contra ataques de vírus e pessoas mal-intencionadas. O Farejador, que já armazena em seu servidor mais de R$180 milhões em documentos fiscais, garante a inviolabilidade de seu sistema e a proteção de todos os seus dados.

Ficou interessado?

Clique aqui para começar a consultar suas notas fiscais eletrônicas gratuitamente e conheça a melhor plataforma de gestão, consulta e armazenamento de documentos fiscais!

Viu como tudo pode ser mais simples do que realmente parece ser?

Não tenha medo de nos enviar suas dúvidas nos comentários, nossa equipe está preparada e disponível para respondê-lo a qualquer momento.