Empreender quando já se tem o projeto esboçado, o plano de negócio pronto e tem o dinheiro na mão, fica bem mais fácil de fazer dar certo qualquer empresa. Mas, e quando você já tinha um emprego estável, uma renda fixa, via as oportunidades dentro da empresa em que trabalhava e de repente, tudo vai por água abaixo, com contas para pagar, família para sustentar, financiamentos comendo seu couro?

Brasileiro é um povo esperto mesmo quando está em queda, a primeira coisa que pensa é: “Vou vender alguma coisa!” E muitos começam a empreender, trilhando um caminho de sucesso com esse primeiro pensamento.

Empreender no Brasil está se tornando cada vez mais comum. Em pesquisa realizada pela GEM (Global Entrepreneurship Monitor) patrocinada pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), houve uma taxa total de empreendedorismo (TTE) de 39,3% em 2015, confirmando o crescimento comparado à TTE de 34,4% em 2014.

A pesquisa é realizada entre adultos com faixa etária de 18 a 64 anos, e a estimativa é de que 52 milhões de brasileiros são empreendedores na criação ou manutenção de algum negócio já em andamento. Ainda segundo a pesquisa, a taxa de empreendedores iniciais (TEA), que registra os empreendedores que estão no primeiro estágio de desenvolvimento de seus negócios, passou de 17,2% em 2014 para 21% em 2015. O empreendedorismo cresce no país desde 2011, porém o principal fator de crescimento em 2015 foi o momento difícil de crise econômica nacional.

Embora a pesquisa registre um aumento significativo, as dificuldades para iniciar um novo negócio são grandes. Algumas pessoas não sabem o que podem ou querem fazer, seja a venda de serviços ou de produtos. E ainda há um empecilho relevante: a falta de capital para investimento.

 

Empreendedorismo real

Conversei com dois empreendedores dos quais conheço os trabalhos de perto, um informal e outro registrado, sobre suas trajetórias no mundo dos negócios. É sempre bom ter um exemplo a seguir que inspire a coragem de iniciar e desenvolver um novo projeto.

Foram feitas as mesmas perguntas a eles, confira o que cada um respondeu nesse bate-papo:

1 – O que levou você a empreender?

2 – Qual foi a sua maior dificuldade?

3 – Qual a sua motivação em continuar com o seu negócio?

  • Fausto Junior da Cruz, dono na empresa Pastelaria da Juju, Tremembé/SP:

R1 – Crise no mercado financeiro. Quando surgiu a oportunidade de assumir a empresa, deixei a formação de Engenharia de Alimentos e arrisquei.

R2 – O mais difícil foi iniciar o empreendimento sem os recursos financeiros necessários, somente com a força de vontade de trabalhar.

R3 – Minha maior motivação são os meus clientes, o carinho e a amizade que criei não tem preço.

  • Vanessa Vialta de Carvalho, dona e confeiteira na empresa Van Cupcakes, Taubaté/SP:

R1 – Sempre gostei de cupcakes. Na oportunidade que tive, fiz um curso e comecei a fazer e vender para as amigas do trabalho, e quando tive minha filha resolvi deixar o emprego de Operadora de Produção na LG e ficar somente com os cupcakes até hoje.

R2 – A maior dificuldade foi esse ano de 2016, em que muitas pessoas começaram a vender doces devido à alta de desemprego. Muitos, pelo desespero, vendiam os produtos a preço baixo, fora da realidade para quem tem qualidade. Pelo lado bom, isso foi uma motivação para criar novos sabores e produtos da marca.

R3 – Eu amo o que faço! Quero aprender sempre e com isso crescer, para um dia ter a minha marca mais conhecida e aprovada pelos clientes.

Muito se engana quem pensa que um empreendedor quando alcança resultados e obtém sucesso teve sorte. Pelo contrário, é preciso muito esforço e dedicação para fazer acontecer. Empreender não é somente ter boas ideias, abrir vários negócios durante a vida e depois de um tempo chegar a perder tudo. Empreendedor é aquele que vai além do pensamento inicial, arregaça as mangas e vai à luta. Busca informações, corre riscos, desenvolve o projeto mesmo com dificuldades e mantém o negócio vivo.

Devido à crise econômica que o Brasil sofreu em 2015, muitos começaram a empreender por necessidade, e ainda estão dando seus primeiros passos. Obviamente, o objetivo de quem está investindo é crescer na área escolhida e para isso é preciso seguir uma série de passos para alcançar o auge do sucesso e garantir o seu lugar no mercado. Ter consciência de que nada acontecerá de um dia para o outro é fundamental para seguir confiante nesse caminho.

Um bom empreendedor começa tendo visão. Ou seja, ele tem a percepção de que um novo negócio pode dar certo, consegue olhar adiante, para o futuro, notar o que ninguém ainda notou. Dessa forma, consegue dar existência a um novo empreendimento e a sua ideia inicial começa a tomar forma.

Para colocar em prática, tirar a ideia do papel é preciso coragem. Durante a execução do projeto, certamente precisará enfrentar riscos, sair da zona de conforto, passar por cima das dificuldades. Algumas pessoas travam já nessa etapa, por medo de começar e não dar certo, ou porque talvez tenha que abandonar algum outro trabalho, abrir mão de um curso que se tem conhecimento para iniciar a busca por algo novo. Sem coragem de por em ação, nada vai acontecer.

Para fazer o negócio criar corpo é fundamental ter competência, no mínimo, deve dominar os elementos básicos da área em que decidiu empreender. É importante também ter um pouco de conhecimento sobre finanças, administração, marketing, vendas, sobre a parte operacional e gestão de pessoas (funcionários, clientes e a si próprio). Sempre que necessário, buscar profissionais que dominem alguma área específica do seu negócio para mantê-lo em crescimento.

Ser competente só é possível com especialização e prática. É preciso fazer cursos na área, buscar informações, manter-se atualizado, essa é a chave para construir um caminho de sucesso. E trabalhar muito! Empreendedor é o profissional que mais trabalha. Se em algum momento você parar no tempo, alguém vai passar a sua frente. Lembre-se disso. O movimento da sua empresa depende do seu movimento.

É possível lidar com qualquer adversidade sendo perseverante. Quando se recebe o primeiro “não”, mas mantém o seu objetivo em mente, certamente você encontrará o melhor caminho para atingir as suas metas. Algumas vezes, o seu trabalho poderá não trazer os resultados esperados, e é esse o momento que exige de você maior atenção e flexibilidade para alterar alguns planos e retomar por outro caminho. Não desistir é fundamental, seja no começo, que é mais difícil ou no meio, quando se quer elevar os padrões.

Manter o foco e ser criativo durante o desenvolvimento é importantíssimo. Haverá momentos em que só a criatividade fará que a sua empresa tenha um diferencial e focar no melhor que você pode fazer trará clientes fiéis.

E acima de tudo, o principal é gostar do que faz! Não adianta abrir um negócio, se especializar, contratar e começar a ganhar dinheiro se não gosta do que faz. Em algum momento isso ficará exaustivo para você e as chances de abandoná-lo no meio do caminho são grandes.

Para crescer no mercado é preciso dedicação, ter o seu objetivo em mente e não pensar em desistir. Todo mundo é capaz quando realmente quer. Saia da sua zona de conforto e siga em frente, o sucesso certamente virá!