Muitos brasileiros ainda veem a declaração do Imposto de Renda (IR) como um verdadeiro pesadelo. Quais tributos devem ser lançados ainda é uma das principais dúvidas das pessoas. Para ajudá-lo nesse processo, vamos explicar os principais pontos sobre como declarar investimentos no Imposto de Renda.

Cadernetas de poupança, títulos no tesouro direto, CBD, ações, entre outros. Esses são os modelos mais comuns usados no Brasil, mas a maioria das pessoas ainda desconhece como cada formato deve ser declarado ao Leão.

Neste artigo, explicaremos para você quais investimentos devem ser declarados e como fazê-lo da forma correta. Confira!

Quais investimentos devem ser declarados?

Em razão da obrigatoriedade de o contribuinte declarar seus rendimentos ao Leão, todos os investimentos devem constar no documento enviado à Receita Federal. Nesse campo, são incluídos os rendimentos do ano anterior à declaração até aqueles que a pessoa possuía antes da necessidade de declarar o Imposto.

Aqui, listamos os principais tipos de investimentos e suas particularidades:

Poupança

Mesmo com o menor índice de rendimento, a poupança ainda é o investimento mais usado pelos brasileiros. Seus rendimentos são isentos de tributação e devem ser lançados na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis.

A declaração dos dividendos da Poupança é obrigatória em valores a partir de R$ 140.

Fundos de Renda Fixa

Tesouro Direto e CDB são investimentos conhecidos como os fundos de renda fixa. Esse tipo de aplicação deve ser declarada na ficha de Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva.

Sua previsibilidade de ganhos e alíquotas de IR regressivas são grandes atrativos para as pessoas que investem nesse formato.

Por exemplo: as aplicações de até 180 dias têm desconto de 22,5%; já para aquelas com mais 360 dias, o desconto é de 20%; e, acima dos 720 dias, o valor de desconto é de 15%.

Ações

No caso dos investimentos em ações, o mínimo que deve ser declarado é de R$ 1 mil. Caso o contribuinte compre ações, elas precisam ser incluídas no campo “Bens e Direitos”. Já os seus rendimentos devem constar na ficha de “Renda Variável”.

A tributação para essa modalidade é de 15%¨do valor ganho nos investimentos superiores ao valor de R$ 20 mil por mês.

LCI, LH, LCA e CRI

As Letras de Crédito Imobiliário, Letras Hipotecárias, Letras de Crédito do Agronegócio e o Certificado de Recebíveis Imobiliários são aplicações isentas de tributação. Assim como a Poupança, devem ser declaradas na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis.

Qual valor mínimo de investimentos deve ser declarado?

A declaração de bens é obrigatória no caso de rendimentos tributáveis acima de R$ 28 mil ou quando o contribuinte possui bens acumulados superiores aos R$ 300 mil. Contudo, ainda que a pessoa não tenha esse valor mínimo, o mais seguro e recomendado é sempre incluir as informações financeiras na declaração à Receita.

Quais os documentos necessários na hora de declarar?

Para auxiliar na declaração do Imposto, bancos e operadoras financeiras enviam ao contribuinte o chamado Informe de Rendimentos. Nele, é possível obter todas as informações sobre os valores de cada investimento.

Os investimentos em outros países precisam ser declarados?

Os investimentos realizados no exterior precisam ser declarados, assim como as modalidades citadas anteriormente. Nesses casos, é preciso informar o valor da moeda de origem e a data de aquisição dessas aplicações.

Como incluir essas informações?

Os investimentos devem ser incluídos na ficha referente aos Bens e Direitos. Os valores de saldo do ano anterior estão entre as informações que devem constar na declaração. Normalmente, as instituições financeiras enviam anualmente essas informações aos contribuintes.

Cada tipo de investimento deve ser classificado de acordo com a sua natureza. Portanto, os dados referentes ao CDB devem estar no item 45, já as informações sobre a Poupança devem constar no item 41, e assim sucessivamente.

É preciso ter muita atenção e saber como declarar investimentos no Imposto de Renda, pois cada um tem sua forma de tributação e isso será essencial para não cair na temida malha fina. Com as informações necessárias, você verá como é simples preencher sua declaração à Receita Federal.

E você, o que achou das nossas dicas? Gostou do nosso artigo? Assine nossa newsletter e saiba tudo sobre o mundo das finanças!